quinta-feira, 31 de março de 2011

Quebra-cabeça

Foto: Ricardo Magalhães
Os jovens querem perfeição.
Os velhos sabem juntar os pedaços.

Blusa

Foto: Ricardo Magalhães
Coração culpado ou
desculpada alma.
Olhar condenador
ou misericórdia.
360 graus ou
meia-volta.
De que lado está?
Foge da flecha o alvo
rasura em alvo tecido
palavra perdida no escuro
escolhe percurso o caminho
De que lado olha?
Ângulo. Fogo. Posição.
Ponto de vista.

quarta-feira, 30 de março de 2011

Meias

Foto: Ricardo Magalhães
São lindos os pés
que estão na dança da vida!
A música balança a fé destemida...
Basta pôr o pé na estrada
e, pé no chão,
de estrelas, a mão bem cheia,
pé na areia,
liberdade encontrarão.
Os pés são caminho
entrada, destino
Frágil sustento,
Para o corpo, unguento
Da alma, raiz
Na busca feliz,
ficarão as pegadas.

terça-feira, 29 de março de 2011

Caixa de músicas

Foto: Ricardo Magalhães
Espírito livre
busca consciência
das coisas da vida
do ser, humano
Imarcescível desejo
para o homem comum
centro maior que o mundo
Falta fantasia para
penetrar no interior
de outros seres
Captar em si, não seu
consolo e trégua
mas o desespero
Tomar parte em seu
destino e sofrimento
sem desesperar
do valor da vida
Onde estão os homens
de pensamento universal?
A simpatia pela vida
só existe mesmo para
quem delimita a existência
E quem pensa puramente?
Quem vê os outros?
Quem se sente tão esbanjado?
Certamente, apenas
um poeta.
Os poetas sabem sempre
se consolar.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Corda

Foto: Ricardo Magalhães
Que separação há entre as coisas?
Apenas uma linha divide
o sim e o não
o dentro e o fora
o ar e o vácuo
o ser humano, macaco
Para estar sozinho
é só dar um passo pra trás
Cortar a linha para nascer
O branco, tinta, escrever
Cruzar a linha, vencer a batalha
Entender o que não entendia
Segurar com as mãos a vida.

domingo, 27 de março de 2011

Lente

Foto: Ricardo Magalhães

Durmo de dia
pra reservar energia
e de noite pra sonhar
Desço poucas vezes ao chão
prefiro a fantasia de voar
Agarrada a meu
tronco de versos
sinto o vento
De olhos fechados
vejo um mundo diferente

sábado, 26 de março de 2011

Chale

Foto: Ricardo Magalhães
O que nos mostra o caminho?
o desejo
corvo negro da solitária decisão
os passos obedecem à dúvida
e a estrada se faz
infuso tema da vida
borda a espera
e o silêncio
pássaro futuro mistura a tinta
mas esboça o traço ferido
cores erradas, esquálido tecido
tentativa? sorte? destino?
história premeditada
reviravolta
vira voo
braços abertos ao encontro
apenas o grito da ave
ecoa no alvo horizonte
e o vento espalha no chão
as brancas penas do medo.

Sapato

Foto: Ricardo Magalhães

Dogma que me limita
ou princípio que me guia?
Se há luz no meu olhar,
é louvor para o meu Deus.
Sou importante para o mundo, dizes,
mas que, por eles, me não transformei.
Não me vejo ser quem sou
sem ter aprendido...
Se a asa da borboleta
tivesse batido em outro lugar,
ou antes, depois da noite,
teria sentido o mesmo vento
ou que tornado me levaria?
Tudo em que acredito
não combina comigo...
Tudo que busquei
não é felicidade...
Tudo a que obedeço
não me liberta...
Olho para o céu
e encontro meu Deus voando
olho ao redor
e não quero caminho
Quando ensino, quando canto,
quando amo,
sigo as trilhas da luz.
Estou aprendendo a voar...
Mas quero companhia.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Espelho

Foto: Ricardo Magalhães

a imagem não reflete, ultrapassa
tua essência não esconde, revela
passa em teu interior
é digerida, processada
tua superfície silenciosa de opinião
filtra o olhar
e o mundo se mostra
através
transparente parede da visão
a luz que perpassa tuas propriedades
se dissolve em pensamentos
ideias formuladas, planejadas
e a palavra se forma...
vai e volta... atravessa o vidro da alma
reflexo da imagem
mutação da muralha da personalidade
 minha leitura do mundo

terça-feira, 22 de março de 2011

Nécessaire

Foto: Ricardo Magalhães

enigma feroz do amor
esconde num segredo a resposta
tempo que levo para descobrir
a natureza carrega na sombra
mesmo longe lhe dá vida
enquanto aparece, ela se esconde
e o oculto anelo se mostra
revela, transcende
em toda célula do corpo
em cada fio de cabelo
minha órbita celeste no jardim obscuro
só tem luz por sua existência

segunda-feira, 21 de março de 2011

Carteira

Foto: Ricardo Magalhães

Dura estrada de
Único sentido
Escolha em
Um segundo
Um passo
Para o futuro
Engano corrigido?
Sonho transportado?
Duplo sentido.

domingo, 20 de março de 2011

Câmera

Foto: Ricardo Magalhães

olhar é intenção.
movimento meu desejo
para onde direciono minhas retinas
janela aberta do ser
que se revela transparente
humana definição abstrata
determinada objetivamente
olho o horizonte
o emprego, a criança
a visão se faz pensamento
e o pensamento transforma a visão 
controle remoto da mente 
cores, foco, efeitos 
segundo a luz do meu olhar 
o mundo é projetado 
e por si mesmo planejado.

sábado, 19 de março de 2011

Vestido

Foto: Ricardo Magalhães

Salve-me!
Estou mergulhada no mar da paixão...
Esse bem querer dentro de mim
Envolve-me profundamente.
Essa saudade do que ainda não tive
Amarra-me uma corrente. Salve-me!
Só você pode me fazer livre
Só você sabe quem eu sou
E eu sou se você estiver comigo.
São teus braços que me podem salvar.
Teus beijos, me alimentar.
Sou toda teu cheiro, tua voz, teu olhar...
Teu jeito está em mim
Como a branca pele desse corpo ausente.
Meu olhar sem pudor busca invadir teu coração:
Cliques parados num apaixonado sorriso...
Mas o que guardo dentro de mim
Nem a sombra demonstra tamanha paz
Muito menos as flores, sua beleza 
É só para ti, sem pudor.


E o silêncio tampa os ouvidos...

quinta-feira, 17 de março de 2011

Bússola

Foto: Ricardo Magalhães

Esferático caminho de uma terra deserta
esconde no infinito a busca lunática
derrama no horizonte
o rio petrificado e seco do desejo
e dos olhos a esperança primeira
a cada piscar distraído,
preguiçoso, pré-ocupado
lentamente as cores se abrem
o que era pedra se fecha
oportuna hora do sonho
acordo alucinado,
atordoado, amedrontado
seguindo em frente caio no abismo
parado me pego em chamas
a dor meço
faço as contas
cá ninho, carinho
caminho
e não saio do lugar.

quarta-feira, 16 de março de 2011

Celular

Foto: Ricardo Magalhães
Encontrar é pedir
cumprimento, atenção, carinho
Encontrar é pedir
um abraço, um sorriso
Encontrar é pedir
que a solidão se afaste
que a distância se encurte
que o vazio se acabe
E há diversas formas de se encontrar
nas palavras de uma carta
na voz do telefone
no carro
na estrada
Posso encontrar em outra cidade
face a face
Encontrar é sempre um começo
Por isso a alegria, o renovo,
nascimento
Por isso dizer tchau é tão difícil
Des-pedir tudo isso...
é fechar os olhos
e negar o desejo...

terça-feira, 15 de março de 2011

Maquiagem

Foto: Ricardo Magalhães

Pinto um sonho no futuro.
As tintas cobertas de medo
derramam obstáculos:
muitas cores, uma sombra
A paisagem esboçada
não precisa o desenho
O cavalete onde eu moro
moldura ao longe o desejo...
Troco os pincéis ou a saudade?
Não, eu olho o horizonte!
Meu combustível secreto...
Até que a distância se aproxime
a doença acabe
a ansiedade se cure
o sonho se alcance
a viagem se faça
e as cores de uma nova paisagem
se misturem na minha janela...
Não é a última que morre
Mas a primeira que salva.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Barbeador

Foto: Ricardo Magalhães

O que me faz te amar...
é a tua verdade quando estás comigo
como a natureza feliz ou feroz em si mesma
é o que é... natural...
Não há máscara...
Apenas transparência 
visceral... universal...
E por te conhecer assim profundamente...
fico em silêncio quando te vejo...
admiro teu riso, tua cólera, teu pranto
admiro o homem que vejo por dentro...
forte intenso coerente
teu riso - água que relaxa o corpo
tua cólera - água que inspira respeito
teu pranto - água que deságua o poeta
você é o que é
e o que é me faz te amar te olhar 
com o mesmo êxtase com que olho o mar
poder mistério sabedoria
e por mergulhar assim dentro de ti
não sei mais quem eu sou 
transparente que estou no teu braço
sou teu riso tua cólera teu pranto
sou de ti um pedaço, um passo, um laço....

domingo, 13 de março de 2011

Óculos

Foto: Ricardo Magalhães
Definir é diferir:
conhecer profundamente.
Definir é decidir:
escolher o elo da corrente.
Gostamos das coisas
bem claras...
Coisa: definição mais clara
do que não sabemos  dizer,
da humana falta de 
discernimento,
professo saber.
Cavamos sempre tão fundo
no profundo terreno das coisas,
que esquecemos o
principal.

sábado, 12 de março de 2011

Escova

Foto: Ricardo Magalhães
Os fios se entrelaçam
enroscam
no banho do tempo
no vento do desejo
no sonho
emaranhadas histórias
que se cruzam
encaracoladas
lisas, onduladas
brancas, negras
grisalhas
louras, castanhas
paradas
e o dedo da vida não passa
entrava
sonho que se perde na estrada
luz que não encontra caminho
rua sem saída
como se não bastasse a ilusão
o espelho mostra a verdade
os nós somos nós
desenhados em guerras
de intolerância armados
com a escova na mão
e os olhos fechados

quinta-feira, 10 de março de 2011

Cinto

Foto: Ricardo Magalhães
Fui esmagada pela cintura
fêmea que sou
Minha alegria vital
escorre pelas duras placas do medo
Sinto meu coração sair pela boca
respiro com dificuldade
O tempo passa
e eu ainda estou viva
Vejo o sofrimento dilacerar
a existência
Eu, que por desertos andei
atravessei o mundo, povos,
eras,
hoje estou aqui
punida pelo desejo
e por ele condenada
sem pernas para encontrar caminho
alimentando-me do mesmo metal
até que cheguem à corrente sanguínea
a dureza, a rudeza
a frieza.
Perderei a alegria
para continuar viva...

Chave

Foto: Ricardo Magalhães
A leveza do voo
verde pouso
três borboletas
e o vento tesouro
foco impreciso
só agora enxergo
contraste obscuro
a imagem da grade
rasurada paisagem
improvável futuro
fecho a janela
à porta caminho
deixo para trás
o trancado jardim
a paisagem muda
as amarras se soltam
agora sou o que vejo

quarta-feira, 9 de março de 2011

Sombrinha

Foto: Ricardo Magalhães

Minhas lágrimas são a tristeza
que meu corpo não aguenta
carregar
Minhas lágrimas são alegria
que meus olhos derramam
ao te olhar
Minhas lágrimas, contentamento
que meu coração precisa
suportar
Minhas lágrimas são a saudade
que meu triste peito sente
transbordar
Minhas lágrimas são o desejo
que muitos poros persistem
em mostrar
Minhas lágrimas são a espera
que todo tempo lamenta
cronometrar
Minhas lágrimas são os sinais
que tanto amor permite
evidenciar
Minhas lágrimas são doce chuva
que estranho rosto emana
a conquistar
Minhas lágrimas são o abraço
que o meu dia reserva
pra alcançar
Minhas lágrimas são nobre prova
do que posso fazer
pra encontrar
Minhas lágrimas são finda parte
da vida que cultivo
pra dedicar
Minhas lágrimas são um pedido
que minhas mãos desenham 
pra acompanhar

terça-feira, 8 de março de 2011

iPod

Foto: Ricardo Magalhães
A Nairo Lopes


Um homem precisa escrever
para ter honra
para ser lembrado
como sábio
É preciso silêncio
para ser tratado como sério
Olha para sua palavra
o homem precisa escrever
Não há desânimo
suas lágrimas saem pontuadas
suas crenças, corrigidas
suas duas mãos quebradas
mas asas no firmamento
percorrem a ideia da rosa

segunda-feira, 7 de março de 2011

Caneta

Foto: Ricardo Magalhães



Inspiração o que é?
Nada mais que motivação.
Um vendedor sabe transformá-la em dinheiro.
Uma música se torna para o compositor.
Para o médico, uma cura.
Para o benfeitor, uma bondade.
Velocidade para o piloto.
E o poeta... arruma as palavras
como quem prepara a mesa para o jantar.
Qual é o desejo do poeta?
Que riqueza busca o poeta?
Produto de uma multiplicação:
desejo vezes coragem
igual à inspiração.

domingo, 6 de março de 2011

Bilhete

Foto: Ricardo Magalhães
O tempo da espera...
desconfortável olhar
o que se espera chegar é a imagem
e não o que se encontra real
passa o amor n'outro trem
um mês vai outro vem
passa a vida também
e eu espero além
fico no mesmo lugar
tenho histórias alheias a contar
viagens secretas
executivo trabalho de sonhos
tenho tempo de sobra
solto a imaginação

sábado, 5 de março de 2011

Bola

Foto: Ricardo Magalhães

o que se perde
foge das mãos
tem-se o impossessível
ou não se tem mais
o jogo para
a vida para
e você vê a bola da vez
a água da vida levar
tenta-se ganhar no grito
arregaçar as mangas
dobrar as calças
criar onda, pedir ajuda
nada adianta...
desistência
viram-se as costas ao problema
mas sempre se olha pra trás
onde nasce a esperança?
por que só se aceitam finais felizes?
na verdade não há desistência
há sempre no coração uma semente
eu existo porque me renovo
porque me transformo
porque olho pra trás
metamorfoseio
porque sou feito de perdas
e fito o horizonte
há sempre um barco que surge
e traz à margem meu desejo...

sexta-feira, 4 de março de 2011

Chapéu

Foto: Ricardo Magalhães

A Rimbaud




Diferente de ti
não preciso viver todas as vidas
para estar no outro
Basta pensar que não sou
nem quem eu pretendia
nem o sonho do outono
nem a manhã do
meu consentimento
Fico no meu lugar
porque conheço o fim da busca
calo diante do mundo
o meu grito de querer mudar a poesia
Não digo a verdade,  sou egoísta
mas a existência pulsa em mim
como em ti, o desejo 
Essa nuvem que vem
e que passa
e que não cabe dentro de mim

quinta-feira, 3 de março de 2011

Travesseiro

Foto: Ricardo Magalhães

Uma cadeira só existe
quando há pensamento
O quarto só é um quarto
porque nele penso como tal
É a imagem que crio
o que se pode chamar de real
Se não há vento, eu invento
O meu amor é o meu mundo
O meu desejo, um sonho
Se a vontade persiste,
a imagem é realidade
e eu posso sonhar com você
Para não haver dúvida,
eu só precisava de um beijo...
Despertei do sono adormecida
e a minha vida se mostrou
lindo jardim, bela flor
Metonímia perfeita,
suficiente compreensão...
Não sou louca, tola ou cega
Meu príncipe existe
e eu espero por ele...

quarta-feira, 2 de março de 2011

Carregador

Foto: Ricardo Magalhães

Enquanto a cidade dorme...
a noite transborda o meu quarto...
Tudo é escuro...
Faltam luzes suficientes na minha vida:
olhos que esclareçam minhas dúvidas
um sorriso que ilumine meu caminho
um abraço que amanheça o meu corpo
um beijo ardente - aurora dos meus dias...
Quando acaba a energia
procuramos ansiosamente uma vela
suficiente mas provisória
o que queremos mesmo é luz forte
constante intensa
Estou aqui à luz de velas
esperando poder à minha vida
passar na minha corrente
fazer funcionar tudo que sinto
ligar meus instintos
acender a paixão...
Quero força que mova
dentro de mim - 220
é o seguinte: 
A cidade acorda
Amanhece o dia
É muito brilho, barulho,
Eletroprazer
O sol se curva diante
do fogo, da luz de tanto querer...
E a noite procura uma vela
por não ter o que fazer...

terça-feira, 1 de março de 2011

Camiseta

Foto: Ricardo Magalhães

Alma vestida de dias felizes 
descansa pousada num ramo em flor 
pernas pr'o ar 
Fosse o rigor da situação 
de terno e gravata 
o corpo outdoorava 
do alto dos muros 
sua fachada 
A borboleta está descalça 
anda na praia 
senta na areia 
paira nas ondas 
toca o mar 
é o que é 
O cachorro vira as costas 
fareja comida, deita e dorme 
enquanto a água toca seus pés 
num convite à paixão 
ele levanta a cabeça 
e obedece seu dono 
Fosse a beleza do encontro 
o corpo se estendia no chão  
e de camiseta apenas 
contemplava o céu.