segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Baú

Foto: Ricardo Magalhães

Escondido a sete palmos da pele
enterrado, guardado, selado
Poderes profundos do olhar
cavaram a terra misteriosa 
e colocaram dentro da alma
no mais recôndito lugar
o tesouro mais nobre que existe
e antes que alguém descobrisse
trataram de fechar,
marcar, desenhar...
Viajarei sete mil léguas
em qualquer embarcação
Não importam as coordenadas
o tesouro está no coração da terra
E o barco da vida me leva
pequena ilha que sou...

sábado, 26 de fevereiro de 2011

Bibelô

Foto: Ricardo Magalhães
Há mais entre o céu e a terra
que podemos imaginar.
Chuva, molhando os sentidos,
lava o que chamamos de vida
e as cores novas do seu dia
perguntam o crucial:
O que te faz falta realmente?
O amanhecer é lição
do Universo -
devemos renascer...
O entardecer é visão
do desejo -
podemos amadurecer.
Alguns estão na transição
vivendo na noite que esconde
ou no dia que mostra.
Há nisso felicidade?
Não sei. A busca é solitária.
Vidros quebrados
ou se espalham
ou, colados, são marcados
para sempre.
Perdem a oportunidade
de filtrar
a maravilhosa difusão
na hora dourada.

Despertador

Foto: Ricardo Magalhães
Os céus trazem agora lágrimas
águas novas do meu pranto
prazer fútil de ocupar o tempo.
A mente engana
serpente vil dessa vida insana
faz-me ver paraíso
sou de novo vento
não me lembro
esqueço tudo
mergulho
Surge então algo assim como o relógio
livre movimento
e eu acordo
sabendo o que é bom
e o que é mau
triste consciência.
A memória só volta
quando quer tormento.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Lenço

Foto: Ricardo Magalhães
Sou casada com o vento
Sou, Cecília, a flor amarela
e vim te dizer do meu casamento...
É bom transformar
e desfazer-se é ter alma bela
Meu marido moldou-me com o tempo
de olhos piscar
O meu fim era previsto destino
nesta poesia que é o meu balançar
Momentos de loucura
que nos embalam os sonhos de voar

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Colírio

Foto: Ricardo Magalhães

O medo de te perder está implícito
em tudo que eu faço
Medo tolo...
Não é possível te perder
se te tenho é dentro do peito
seguro, guardado, infinito
Medo tolo...
Ninguém é de ninguém
não é possível perder
o que não se tem

O amor liga as pessoas
de modo intenso, voraz, visceral
Somos um
Eu sou você
Se te perder perco a mim mesma
Se sou você, te tenho pra sempre
enquanto houver em mim
o fôlego que me sustenta

Tenho que me amar e ser feliz
pra te ter do meu lado
Gostamos de coisas belas
É cuidando de mim
que vejo teu sorriso estampado,
coração aberto, abraço apertado
Um beija-flor 
Sempre no meu jardim...

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Lençol

Foto: Ricardo Magalhães


Duas almas  um desejo
Dois corpos  um abraço
Duas vidas  um encontro
Não representa empecilho
nada é simples, nem tão fácil
Conheci a felicidade e o amor no mesmo instante
vivi em segundos o que busquei a vida inteira
Não sei se significo o que encontrei
mas não desisto
Amanhã é incerto demais para nossa vontade
sou poeta, que fazer?
vivo n'outra real...
Por mais que me mostre caminho
por mais que me faça enxergar
a calmaria da minha vida
Eu te mostro incêndio, e furacão, e tempestade,
dentro de mim...
Não há o que perdoar...
Agora a vida não para, não volta,
só segue...
Apenas conheço a direção...

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

CD



Foto: Ricardo Magalhães
Busco sempre a tua direção...
hoje me acho no centro da Terra
essa bússola que me leva
Giro meu olhar em torno de mim
é infinito pra todo lado
Em todos os ângulos há caminho
e eu estou sozinha
perdida
Preciso de um sinal
de um momento em que
esse disco pare de rodar
e uma estrada se faça na minha frente
E eu caminharei
com muito prazer
ao teu encontro
Sei que em algum instante correrei...
A pressa é grande
O desejo, enorme...
O ponteiro aponta meu norte
e eu o consulto várias vezes
pra me certificar
Quero ter a certeza 
de que chegarei na hora marcada
E você estará me esperando
de braços abertos...
E nos amaremos como nunca
você, no meu sorriso
eu, no teu olhar...

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Livro

Foto: Ricardo Magalhães

Eu escrevo versos 
como quem conta uma história.
Sai-lhe a máscara da verdade
e as palavras se traduzem em canção
caminho da experiência para o encanto
De vez em quando 
as personagens se misturam
de vez em quando 
entro em outra vida
e essa é a melhor parte
Fico com quem quero
o tempo necessário
pra me fazer feliz
É preciso um lugar
Pronto. Um carro.
É preciso motivo
te dou todos do mundo
talvez me digas, então:
é preciso verdade.
Não, respondo, ninguém suportaria...
Basta fechar o livro.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Bijuteria

Foto: Ricardo Magalhães

O que me deixa triste não é a distância
é o que, mesmo perto, não podemos ser...


O que me deixa triste não é a saudade
é o que ainda se pode viver pra sentir falta...


O que me deixa triste não é a prisão
é o que em silêncio calamos no peito...


O que me deixa triste não é o presente
é o que ainda virá vazio inseguro...


O que me deixa triste não é a correria
é o que busco em vão apressadamente...


O que me deixa triste não é a solidão
é o que eu trago escondido pra compartilhar...


O que me deixa triste não é a derrota
é o que teu amor vai tocar sem que eu possa sentir...

Calculadora

Foto: Ricardo Magalhães

Há força demais
no meu amor
há medo demais
no meu desejo
há vida demais 
no corpo teu.


O sol se esconde 
como eu
amanhã é um outro dia 
e apareço
busco teu beijo 
como o girassol.


Nada mais certo, mais exato,
como a matemática do universo,
que te amarei mais que a mim mesma.


Não sou como as árvores plantadas
no mesmo lugar a vida inteira
nem como as montanhas.


Sou como as nuvens que se transformam
e escolhem ser mil formas
bem como deixar de ser.


Sou como os pássaros
que escolhem seu destino
e mudam a direção.


Sou como o vento
que às vezes bagunça a vida
e depois sopra devagar.


Quero te levar comigo nessa viagem
você só precisa conhecer
as cores do nosso crepúsculo
os passos da nossa caminhada
as músicas da nossa vida
onde estão nossas paisagens


antes que a noite chegue.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

GPS

Foto: Ricardo Magalhães

Ser feliz agora
como tudo está
o que não se muda
amo desse jeito
o que não consigo
anseio sem receio
como o que não tenho
busco com anelo

sonhos impossíveis
amores improváveis
vida inatingível

quero o amanhã
mais rapidamente
quero a estrada
antes dos meus passos
e te alcançar
dentro dos meus braços
mesmo que a ilusão
acorde primeiro
mesmo ouvindo um não
em golpe certeiro
quero a vida toda
te amar inteiro.

Toalha

Foto: Ricardo Magalhães

Essa distância tem uma voz
que me toca cortando os sentidos...
Música triste vagando sem rumo
estrada longa, distraído caminho...
E às vezes eu me sento pensando
há uma voz me chamando
para o meu lugar
e o meu lugar é o teu 
Por isso me vejo perdida
Por isso não importa a paisagem
Eu ando porque vou encontrar
o meu destino 
o meu espelho 
o meu mundo 
Me envolvi toda em teu corpo
Que já nem sei quem sou...

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Relógio

Foto: Ricardo Magalhães

Parada na estrada, na vida,
no tempo
O chão conta a distância
o relógio marca a saudade
e eu não saio do lugar
Não deixo a casa
nem volto pra lá
Perdida no meio do mundo
passam por mim
as pessoas, o passado
e o futuro pisca safado
mexe comigo
como quem tem reservado
um segredo, degredo
Sigo seu rastro sem medo
na floresta misteriosa da vida
esperando que ele se torne presente
Pássaro feroz esse olhar
enquanto me encantava comia
as marcas do meu caminho
E eu, distraída, esquecida
perdi a minha história
a paisagem, o destino
Nas curvas de um querer obscuro
apenas enxergo o futuro
que o seu olhar reflete
Meu mundo num doce sorriso
A vida num amor infinito.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Anel

Foto: Ricardo Magalhães



O que nos mostra o caminho?
o desejo
corvo negro da solitária decisão
os passos obedecem à dúvida
e a estrada se faz
infuso tema da vida
borda a espera
e o silêncio
pássaro futuro mistura a tinta
mas esboça o traço ferido
cores erradas, esquálido tecido
tentativa? sorte? destino?
história premeditada
reviravolta
vira voo
braços abertos ao encontro
apenas o grito da ave
ecoa no alvo horizonte
e o vento espalha no chão
as brancas penas do medo.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Mala

Foto: Ricardo Magalhães
O que posso levar de mim
para qualquer lugar?
Um resumo do que sou
ou o que preciso mostrar?
Roupas contam histórias
revelam medos
anseiam encontros
esbanjam poder
escondem segredos...
Carrego embalado o aconchego,
referência, caminho.
Coisas que têm
cada qual o seu lugar
e, retiradas que estão,
esperam sem pressa
seu momento de pouso
na areia do tempo.
Viajar de si mesmo
é desafio atonal
Ponho na mala alguns sonhos...
e o que acho de bonito
para vestir algum dia...
O amor num segredo...
A vida que eu desejo...
E saio tranquila de mim.
Olho para trás e me despeço...
talvez sinta saudade
talvez nunca mais volte
talvez fique parada na estação
mas em minhas mãos estão os meus passos...
Necessária, fútil, pesada -
minha bagagem é o que sou.