sábado, 13 de agosto de 2011

Cachoeira


fazer do contato
espetáculo
conversa sem fim
à beira da água
fazer do diálogo
contemplação
barulho que acalma
frescor que atrai
o tempo passaria vergonha
diante da intensidade do instante
e eu viveria pra sempre
a te olhar, a te ouvir



Nenhum comentário:

Postar um comentário