quinta-feira, 28 de julho de 2011

In-fundo

Sentada na beira do poço
enxergo teu profundo mistério absorto
um mundo inteiro no secreto escuro
dentro dos teus olhos
chega apenas o reflexo de mim mesma
em desespero
lanço a corda
deixo o balde afundar
alcanço do teu ego as entranhas
saberei quem tu és, o que pensas
e puxo com toda força
num átimo para fora
e vejo em tuas águas meu sorriso
enquanto o que escorre
devolve para sempre
ao fundo
o que não hei de conhecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário