sábado, 26 de fevereiro de 2011

Despertador

Foto: Ricardo Magalhães
Os céus trazem agora lágrimas
águas novas do meu pranto
prazer fútil de ocupar o tempo.
A mente engana
serpente vil dessa vida insana
faz-me ver paraíso
sou de novo vento
não me lembro
esqueço tudo
mergulho
Surge então algo assim como o relógio
livre movimento
e eu acordo
sabendo o que é bom
e o que é mau
triste consciência.
A memória só volta
quando quer tormento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário